sábado, 27 de outubro de 2012

O presente do futuro hoje

.
Amanhã não tem é nada.
E só hoje que eu vi.
Esse agora é uma varanda
cujo salto me omiti.
E me omito todo dia.
Estou sentado no sofá.
Andando de manhã
esperando outros agoras.
Amanhã, um hoje volta a luzir.
Talvez fosse mesmo certo (crer)
feito o santo em outra primavera
que o presente é em cada hora
e o presente do futuro hoje
é a espera.
.
.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Compor.

.
É construir uma certeza.
.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Pedindo Informação

.
Quanta coisa tem
Muito mais que ontem tem
Muito mais tem amanhã
E depois ainda mais tem
Saberemos encontrar?
Digite aqui sua busca
Você sabe procurar?
Mande os verbos por ai
Veja, a palavra-chave
abre algo na cabeça
.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

.

.
O silêncio é uma palavra.
.

No Ar

.
O salão era como um mar.
Dançavam todos feito ondas
E um sussurro leve cantava
a melodia que dizia:

Acerta teu passo no meu
menina vestida de azul.

E eu girava com você no ar.
Brilhava o seu colar de contas.
No baile da estação do tempo
eu vi você sorrir.
.
.


domingo, 10 de junho de 2012

Via

.
O Acaso é essa via.
Vereda do tempo.
Alameda Boaventura.
Corredor da morte.
.
.

sábado, 12 de maio de 2012

Mimesis

.
Ah se soubesses como é
quase tão real
quanto estou vendo que é.
Mágico Flaubert
que faz aparecer
o coelho semelhante ao que parece ser.
Mas mesmo assim a vida escapa
Não se deixa fotografar
Não me deixa contar nada
Isso a vanguarda vai ousar.
E no entanto fica lá
e persiste.
Uma angústia por não ter história
(Cada um com suas memórias)
Porto seguro que não mais existe.
.
.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Para ela

.
Ela, que dentre
as feituras deste homem
fulgura e paira
sobre as nuvens.
É a forma que encanta.
Canta verso,
ensina dança.
É o próprio conteúdo.
Têm a forma disso tudo.
Dá-se por aí
e se reparte.
Musa única musical.
Eis a Arte.
.
.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Romance Moderno.

.
Se o personagem
é o seu destino.
Faça o seu caminho.
Ande com certeza.
Com certeza andar
é bem íntimo de ser.
Ande até ficar mais longe.
Ache o próximo à distância.
Olha que pra ressonância
é preciso solidão.
.
.

Sobrecompor

.
Que tarefa mais assim
solfejar a novidade.
Pegar umas notas no céu,
na memória.
Costurar na realidade.
Melodia.
De onde ela vem?
Casa clara da canção.
Isso é novo ou criar
é só lembrar com saudade?
Um gosto novo
eu que escolhi.
.
.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Essas coisas (para Magritte)

.
Nomes são os sons que tem pras coisas
os nomes que as coisas tem.
Que nome precisam as estrelas
seus brilhos?
Coisa e nome são assim
se conhecem de repente
são sujeitos que
se esbarram por aí.
Diga o que é a dança.
Poesia é um cachimbo.
Imagens transitam nas calçadas.
Se falta esperança
para um coração dorido
quadros de poesia e nuvens claras.
.
.